segunda-feira, 7 de janeiro de 2013

NAMORADA DE VÍTIMA DE HOMICÍDIO PRESTA DEPOIMENTO NA DELEGACIA DE RURÓPOLIS


O delegado Ariosnaldo da Silva Vital Filho, titular da Delegacia da Polícia Civil em Rurópolis, sudoeste do Pará, dará continuidade, nesta semana, às investigações sobre o assassinato do mecânico Edson Faller Watermann, 32 anos, que era conhecido como "Pitoco". O crime ocorreu, por volta de 7 horas da manhã, do dia 1º deste ano, em via pública, na zona urbana da cidade. O suspeito de ser o autor do crime foi identificado como Romário dos Santos. 
A vítima foi morta com duas facadas no lado direito das costas. A namorada da vítima, Adriana Campelo Lopes, que foi colocada como suspeita de envolvimento no crime por ter ido embora do município logo após o homicídio, compareceu à Delegacia, no último dia 4, para prestar depoimento. Ao delegado, Adriana garantiu ser inocente de envolvimento no crime e apontou Romário como suposto autor do homicídio. Ela contou ter ido embora da cidade, logo após a  morte de Edson, porque ficou assustada com a repercussão do crime e devido às falsas acusações de algumas pessoas que a colocaram como a responsável pela morte do companheiro. "Ela relata que, após ver sua foto em sites na internet e conversar com familiares, resolveu voltar à cidade e se apresentar à Polícia, colocando-se à disposição da justiça", afirmou o delegado.
Segundo o policial civil, Adriana relatou ainda ter convivido em união estável com a vítima, de quem estava separada havia trinta dias. Ela mora atualmente no município de Santarém. "Pitoco", a vítima, teria lhe telefonado, perto do final de ano, convidando-a para passar o natal ao seu lado, em Rurópolis. Segundo ela, na noite de natal, ele ficou embriagado e, durante uma discussão, lhe agrediu fisicamente, o que a fez afastar-se dele companheiro novamente. Já na noite da virada do ano, Adriana relatou que estava numa festa, em Rurópolis, realizada em uma sorveteria, ao lado de algumas colegas, quando ali chegou Edson que passou a mandar acenos e lhe jogar beijos. "Ele ofereceu a ela um copo de cerveja e a chamou  até o balcão da sorveteria para uma conversa. Ali, ele disse que estava muito arrependido pela agressão física que cometera no dia de natal e que queria reatar o relacionamento, mas Adriana recusou-se, pois ainda estava com medo dele", comentou o delegado, segundo o depoimento prestado por Adriana. Ela afirmou que Edson já apresentava fortes sinais de embriaguez e que ainda chegou a tirá-lo do local. Enquanto caminhavam em direção a uma praça, os dois encontraram o suspeito do crime, de prenome Romário, que, segundo ela, estendeu-lhe a mão para lhe desejar feliz ano novo.
O fato foi o suficiente para que Edson, a vítima, desferisse um soco no rosto de Romário. Os dois tiveram uma luta corporal na rua até serem separados por outras pessoas. Cada um foi levado para um local diferente. A vítima continuou a beber até resolver ir para casa. 
Ela conta que tomou conhecimento de que Edson havia pego depois carona com um amigo dele e que no caminho para casa teria sido esfaqueado por Romário. A vítima foi ainda socorrido e levada ao hospital municipal, onde morreu. Adriana conta que foi até o hospital, onde soube do falecimento de Edson. Adriana afirma não ter visto o momento do crime, mas que apenas tomou conhecimento por meio de outras pessoas, que Romário seria o autor do crime. "Ela afirmou que jamais manteve qualquer relacionamento com Romário e que o conhece só de vista nem sabe informar onde ele está", asseverou o delegado. Ariosnaldo da Silva Vital Filho afirmou que as investigações continuam sobre o caso. "Nesta semana, serão ouvidas mais pessoas, contudo a autoria do crime já é certa, salvo o surgimento de fatos novos. O inquérito policial deve ser encerrado dentro do prazo legal e apresentado à Justiça local para apreciação e julgamento", ressalta.

Por: PC/ PA

Nenhum comentário:

Postar um comentário